Angela Davis: “O racismo voltou a ser mais violento e explícito”

By / 2 semanas ago / Mundo / No Comments

Por Andrea Aguilar, do El País

Diante de meia centena de jornalistas e câmeras, a lendária ativista e acadêmica Angela Davis (Birmingham, Alabama, 1944) conversou com jornalistas na quarta-feira em Madri. Vestida de preto, com um cachecol amarelo, sua icônica cabeleira afro —menos desafiadora do que nos anos setenta— estava mais próxima de uma meia cabeleira crespa, hoje branca.

A clareza e a força de seu discurso não perderam o brio, porventura assumiram uma nova urgência diante do ressurgimento do nacionalismo supremacista nos Estados Unidos. “É importante não reagir a cada declaração que Trump faz para mobilizar suas bases e não deixá-lo manobrar a conversa”, disse. “A resposta a Trump vem das mulheres, desde sua posse a mobilização contra ele foi organizada por elas. No passado, a categoria mulher significava mulher branca, e isto foi contestado. A resposta feminista ao racismo e do colonialismo é a resposta”. Autora de A Liberdade É uma Luta Constante, e Autobiografia, tem uma nova conferência intitulada O Feminismo Será Antirracista ou Não Será, alinhada com essa conexão entre as injustiças raciais, de gênero e econômicas que Davis vem estudando e denunciando há décadas.

Passaram-se 50 anos desde que Davis se juntou aos Panteras Negras em 1968. No ano seguinte, o então governador da Califórnia, Ronald Reagan, forçou sua expulsão do corpo docente da Universidade da Califórnia antes que desse a primeira aula, e em 1970 Hoover a colocou na lista das 10 pessoas mais procuradas pelo FBI. Foi acusada de conspiração depois do ataque a um tribunal da Califórnia feito pelo adolescente Jonathan Jackson com uma arma registrada em nome de Davis. Ela passou quase três meses escondida e depois cumpriu 16 anos de prisão antes de ser absolvida de todas as acusações em um julgamento histórico.

Membro do Partido Comunista até o início dos anos noventa, Davis sempre se esquivou do protagonismo excessivo e tentou colocar a ênfase no coletivo mais do que no individual. Tornar o feminismo um movimento integrador foi uma de suas grandes lutas.

É possível pensar que a histórica Davis tem algo de oráculo ou de termômetro da esquerda social a julgar pelo amplo leque de perguntas que respondeu ontem. Da legalização da maconha no Canadá (“O consumo de drogas deveria ser descriminalizado, nos EUA a chamada guerra às drogas foi uma guerra contra a população negra”) até a abolição do sistema penitenciário (“Exigiria uma sociedade muito diferente, mas estamos em um ponto em que muitos detentos estão na prisão por serem imigrantes ilegais ou por falta de recursos e de educação”), passando pela vitória de Trump (“A maioria votou contra, mas ganhou graças ao sistema de colégios eleitorais, que favorece a representação de Estados com pouca população branca e é uma herança direta da escravidão”) ou a relação entre feminismo e animalismo (“Deixei de comer carne na prisão não como um gesto político, mas porque a que eles nos davam estava podre, mas acredito que a política dos alimentos é importante”).

Depois de 50 anos de luta, a situação atual a desanima? “Não. O racismo hoje volta a ser mais violento e explícito, mas também existe um forte movimento à esquerda e uma maior consciência. Movimentos como #MeToo e Black Lives Matter são resultado do trabalho de várias gerações. A percepção da injustiça e da desigualdade é mais profunda”, explicou sentada em um sofá, em uma breve entrevista depois da coletiva de imprensa.

Discípula de Herbert Marcuse, pensador da Escola de Frankfurt, diz que a melhor lição que aprendeu com ele foi a responsabilidade que os filósofos têm de mudar o mundo, de levar a teoria crítica a um quadro mais amplo. E sobre a política espanhola, diz que aprendeu que é “complexa”. “Os imigrantes que estão em centros de detenção também são presos políticos”.

Daniel Ribeiro

22 anos, estudante de administração gestão pública.

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked. *