Ativistas iniciam boicote contra marcas de café ligadas à empresa que está por trás de despejo no Quilombo Campo Grande

Pilão, Café do Ponto, Cacique, Café Pelé e Damasco são algumas das marcas que compram da Terra Forte. A companhia pertence a um dos maiores produtores de café do Brasil, João Faria

Trabalhadores exibem faixa de resistência ao despejo. (Foto: Reprodução/MST)

Por Redação, da Forum

Ativistas iniciaram nas redes sociais um boicote às marcas de café que compram da Terra Forte, empresa por trás do despejo do Quilombo Campo Grande, em Campo do Meio, sul de Minas Gerais. A reintegração de posse foi realizada na última quinta-feira (14), em meio à pandemia.

Segundo a jornalista Elisa Lucinda, as marcas Pilão, Café do Ponto, Cacique, Café Pelé e Damasco, da holandesa Jacobs Douwe Egberts (JDE), são algumas das que compram da companhia. Ela fez a denúncia no Twitter, neste domingo (16).

“As marcas Pilão, Café do Ponto, Cacique, Café Pelé e Damasco compram da Terra Forte, que está por trás do despejo do Quilombo Campo Grande. Já que todos gostam tanto da racionalidade estrita do mercado, adianto que nunca mais comprarei café dessas marcas”, escreveu.

O acampamento Campo Grande ocupava há mais de 20 anos a fazenda da antiga usina Ariadnópolis, que faliu em 1996. Desde então, o empresário Jovane de Souza Moreira tenta reativar a usina e, para isso, fez um acordo com um dos maiores produtores de café do Brasil, João Faria – dono da Terra Forte.

Segundo reportagem do Repórter Brasil, o documento firmado prevê o arrendamento de parte dos 4 mil hectares do local para o plantio de café, enquanto outra parcela seria destinada ao cultivo da cana-de-açúcar.

Apesar de ser um dos maiores produtores de café do Brasil, João Faria entrou com pedido de recuperação judicial em 2019 para evitar a falência com R$ 1,1 bilhão em dívidas.

Compartilhe

EXPLORE TAMBÉM

Voltar ao topo