CEIR realiza reunião com o Observatório do Racismo no Futebol e com o Cecune

CEIR acolhe demanda da sociedade civil. (Foto: Gustavo de Souza)

Por Nathane do Dovale, da OAB/RS

Na última quarta-feira (25/09), a Comissão Especial de Igualdade Racial (CEIR) se reuniu com o diretor do Observatório do Racismo no Futebol, Marcelo Carvalho, e com o diretor-editor do jornal NaçãoZ e coordenador-geral do Centro Ecumênico de Cultura Negra (Cecune), Juarez Ribeiro.

O objetivo do encontro foi o de traçar estratégias de combate ao racismo no futebol e em outras áreas do esporte, além de construir ações para potencializar a campanha ‘Cartão vermelho para o racismo’, lançada, em julho de 2019, pela OAB/RS.

A presidente da CEIR, Karla Meura, ressaltou a importância do encontro e da temática: “Geralmente quem sofre situações de racismo, tem dificuldade de acesso às informações de como prosseguir na justiça para resolver o caso. Por isso, estamos estudando fórmulas de melhorar essas questões e responsabilizar as pessoas que praticam crimes de racismo na área esportiva”, explicou.

Durante a reunião, Carvalho ressaltou as normas do Código Desportivo e a necessidade de ampliar as punições. “A punição para casos de racismo no esporte se dá, efetivamente, de maneira administrativa, seja por meio da multa pecuniária, seja por perda de pontos para os clubes. Há uma brecha na lei, porque esta menciona uma grande ou pequena quantidade de pessoas que tenham cometido atos de racismo dentro dos estádios de futebol. Assim, os clubes acabam sendo absolvidos, de um modo geral, pois não há uma especificidade sobre a quantidade destas pessoas”, contou.

Ribeiro destacou a importância de se dar um tratamento subjetivo aos efeitos emocionais causados às vítimas de racismo no futebol. “A imprensa tem papel preponderante nestas situações, embora o que ainda ocorra seja a relativização da violência do racismo neste meio”, disse.

Estiveram presentes os membros da CEIR: Cláudia Athayde; e Diógenes Queiroz de Moraes; e a integrante colaboradora, Ana Lucia Bicca.

Compartilhe

EXPLORE TAMBÉM

Voltar ao topo