Eleições 2020: Conaq comemora vitória de mais de 50 quilombolas eleitos para o executivo e legislativo em nove estados

Vilmar Kalunga, primeiro prefeito quilombola de Cavalcante-GO. Ele é ex-presidente da Associação Quilombo Kalunga. (Foto: Divulgação)

Por Maryellen Crisóstomo, da Conaq

Pela primeira vez a população quilombola participou de maneira expressiva das disputas eleitorais, na maioria dos Estados em que a Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq) atua, cerca de 500 quilombolas se dispuseram a lutar por uma vaga tanto no executivo quanto no legislativo. O resultado preliminar aponta 50 quilombolas eleitos, sendo: 1 prefeito, 1 vice-prefeito e 54 vereadores.

Sobre os resultados alcançado: “é uma grande revolução”, avalia a Coordenadora Sandra Pereira Braga, do Estado de Goiás, onde foi eleito o prefeito Vilmar Kalunga, em Cavalcante. “É muito importante para a CONAQ ter esses representantes porque reforça que nós precisamos ocupar esse espaço de poder. Esse resultado também é importante para o empoderamento do território e da comunidade e isso vai servir de modelo para todo o Brasil”, ressalta Braga.

Contudo, para o Coordenador Antônio Crioulo que acompanhou de perto a pauta das candidaturas quilombolas, realizando reuniões de mobilização com lideranças de todos os 23 Estados em que a Conaq atua, avalia os resultados como fortalecimento da pauta quilombola. “Esse resultado representa acima de tudo o reconhecimento da luta incansável dessas lideranças pelos seus territórios”, destaca Crioulo.

Confira abaixo o número de eleitos por Estado:

Atualização: 16/11 11:45 – 57 eleitos

Cargo       Estado       Nº de eleitos
Prefeito     Goiás                01
Vice            Maranhão       01
Vereador   Maranhão       14
Vereador   Goiás                09
Vereador   Bahia                08
vereador    Pernambuco   07
Vereador   Minas Gerais   07
Vereador   Tocantins         04
Vereador   Piauí                  02
Vereador   Sergipe              02
Vereador   Ceará                 01
Vereador   Pará                   01 

O trabalho continua

Segundo Crioulo a Conaq agora deve criar um grupo de trabalho com os representantes eleitos para construir planos de trabalhos alinhados com a pauta nacional quilombola. “Vamos construir com eles as pautas referentes à educação, à saúde, acesso ao território e ao fortalecimento da identidade quilombola. Acreditamos que fortalecendo esses eixos como pauta prioritária, nós estaremos fortalecendo as comunidades, mas, também lembrando de sub-eixos importantes como a questão do acesso a emprego e renda, à sustentabilidade, à  agricultura, todas essas serão pautas que nós vamos construir com esse povo quilombola eleito”, explica.

Dessa forma, a Coordenadora Sandra Braga também aponta essas vitórias como oportunidade de potencializar a pauta quilombola nos espaços políticos. “Como a questão do território e da luta, tendo nesse pleito a participação de vereadores e prefeito quilombola”, ressalta.

De olho em 2022

Os resultados dessas eleições são um termômetro para a Conaq avançar na discussão em prol de candidaturas para a representação quilombola nas assembleias legislativas e no Congresso, e até para o executivo.

Por isso, “nosso objetivo quando apoiamos essas candidaturas foi possibilitar uma estrutura que dialogasse com a pauta nacional quilombola. E também pensando no futuro, pautar isso a nível de Estado, além de avaliar a maneira como a CONAQ vai atuar para garantir que tenhamos representantes a nível estadual fortalecendo a pauta do movimento”, ressalta Crioulo.

Em consonância, Sandra também aponta que esses resultados servem para nortear a mobilização da Conaq no sentido de potencializar as candidaturas quilombolas nos próximos pleitos. “Que possamos trabalhar para fortalecer e empoderar mais as candidaturas quilombolas. Que nas próximas eleições tenhamos mais e mais quilombolas por esse Brasil afora no pleito, defendendo e fazendo valer nossos direitos”, pondera.

A presença de quilombolas no legislativo e executivo assegura a visibilidade da pauta e garantia dos direitos.

Compartilhe

Voltar ao topo