Ex-árbitro Márcio Chagas da Silva é vítima de injúria racial durante jogo em Ajuricaba

Comentarista de futebol da RBS TV apitava a final do campeonato municipal quando foi alvo de xingamentos de um torcedor. Chagas registrou ocorrência e crime será investigado.

Márcio Chagas da Silva registrou ocorrência após ser alvo de xingamentos racistas na cidade do Noroeste do RS. (Foto: Paula Menezes/GloboEsporte.com)

Do G1/RS

O ex-árbitro de futebol e comentarista da RBS TV Márcio Chagas da Silva foi vítima de xingamentos racistas durante um jogo neste domingo (15/12), em Ajuricaba, na Região Noroeste do RS. Ele havia sido convidado para apitar a partida da final do campeonato municipal, entre os times América e Juventus, quando ouviu, de um homem que acompanhava o jogo: “apita direito, negro safado, se não apitar direito vão fazer que nem em Bento Gonçalves”.

O comentarista identificou o homem, e se dirigiu a ele, pedindo que repetisse o que havia falado. O homem repetiu. “Chamei o policiamento. Ele tentou fugir, mas foi detido, e levado algemado para o camburão”, relata Chagas.

Na delegacia, o homem foi autuado por injúria discriminatória, e liberado. Não foi lavrado flagrante, conforme o delegado Maurício Posselt, pois não havia testemunhas do crime no momento do registro da ocorrência. Chagas diz que pretende representar criminalmente contra o homem.

Em 2014, o comentarista foi alvo de outro episódio de racismo, quando encontrou bananas no seu carro, após uma partida no Estádio Montanha dos Vinhedos, em Bento Gonçalves.

Oitava ocorrência

Foi a oitava ocorrência por atos de racismo registrada pelo ex-árbitro, conforme contou ao G1. Recentemente, ele participou de uma audiência de um dos casos, em Caxias do Sul. O acusado não compareceu.

Ele entende que denunciar as violências racistas é um dever. “As pessoas têm que fazer a ocorrência, fazer a denúncia, dar prosseguimento, porque são casos que acontecem há séculos. Temos o direito de viver livremente, sem sermos xingados, independente da cor”, declara.

Chagas ainda relata que o homem assumiu o que disse, e falou à polícia que estava de “cabeça quente”. Um inquérito será instaurado pela polícia do município para apurar o caso.

Compartilhe

Voltar ao topo