Lançamento do livro sobre Ildefonso Juvenal da Silva: um memorialista negro no sul do Brasil

O extraordinário intelectual catarinense Ildefonso Juvenal,  através de jornais e de associações literárias, cívicas e esportivas revela-se como inspirador ancestral do movimento negro em Florianópolis e como precursor do diálogo entre as entidades negras no sul do país, no início do século passado

Ildefonso Juvenal da Silva intelectual negro teve importante participação no desenvolvimento literário, econômico e social de Santa Catarina, no período pós-abolição. (Foto: Arquivo de família/Divulgação)

Da Redação

No dia 27 de setembro, às 19 horas, no IFRS – Campus Porto Alegre – Auditório Térreo, na Rua Cel. Vicente, nº 281, Centro – Porto Alegre, será realizado o lançamento do livro “Ildefonso Juvenal da Silva – Um memorialista negro no sul do Brasil”, publicado pela Editora Cruz e Sousa, e organizado pelo historiador e pesquisador paranaense Fábio Garcia  revelando ao público, em especial à comunidade negra, o perfil de um negro brasileiro sulista ousado e persistente na leitura e no relato do cotidiano de superações enfrentadas pela população negra nos anos seguintes à abolição da escravatura em Florianópolis SC.

O lançamento do livro sobre Ildefonso Juvenal da Silva: um memorialista negro no sul do Brasil é uma realização do  Centro Ecumênico de Cultura Negra – CECUNE e o Projeto Universidade Livre, do Instituto Federal do RS – Campus Porto Alegre e o NEABI, com o apoio cultural da Editora Cruz e Sousa, do NaçãoZ – Projeto Sul+Sul.

O evento contará  também com  a exibição do documentário: “Uma herança, um dom! Aspectos da vida e obra do intelectual Ildefonso Juvenal”, dirigido por  Renan Ramos Rocha, da Iashar Filmes, Editora Cruz e Sousa

Sobre o livro

O livro “Ildefonso Juvenal da Silva: um memorialista do sul do Brasil” (Biografias, Crônicas e Discursos), de autoria do historiador  paranaense Fábio Garcia é  resultado de  mais de 15 anos de pesquisa em arquivos e bibliotecas e também da busca de informações  através de  entrevistas com familiares de Juvenal.

Capa do livro

Nascido em 10 de abril de 1894, Ildefonso Juvenal,  filho de pai alforriado e mãe liberta encontrou na educação um instrumento para combater as desigualdades sociais que percebia e que se propunha a enfrentar. Inaugurou publicamente  essa trajetória em  1914, aos 20 anos quando  publicou,  com recursos próprios, o livro Contos Singelos. Ingressou na  Polícia Militar onde trabalhou como professor de alfabetização e, mais tarde já formado em farmácia pelo Instituto Politécnico de Florianópolis, organizou o setor de farmácia da instituição, chegando ao posto de  Major no final de sua carreira militar.

Membro de diversas associações literárias, cofundador da Associação dos Homens de Cor, do Centro Cívico Recreativo José Boiteux, do Centro Catarinense de Letras, da Associação Promotora da Herma de Cruz e Sousa em SC,  fez parte, como membro correspondente, da Academia Rio-Grandense de Letras(RS), da Academia de Letras José de Alencar-PR, da Academia de Letras do Paraná e do Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina. Escreveu e deixou publicados  mais de 19 livros e mais de 400 artigos  em periódicos e revistas literárias. Desse total, 90 artigos foram compilados para compor o livro de Fábio Garcia, material cujo estudo contribui para a compreensão da história do  desenvolvimento social do estado de Santa Catarina.

Sobre o organizador

Fábio Garcia é paranaense natural de Laranjeiras do Sul e radicado em Santa Catarina, Bacharel e Licenciado em História pela Universidade de Santa Catarina/UFSC; Professor do Ensino Fundamental, Médio e EJA/Ead;  desenvolve projetos relacionados às políticas públicas para a promoção da igualdade racial, além de proferir palestras e ministrar  cursos sobre a cultura de matriz africana no Brasil. Autor de História Geral (Volumes 1, 2 e 3), Sociologia Geral (Volumes 1, 2 e 3), Curso de Formação de Educadores Populares de Capoeira numa Perspectiva Interdisciplinar (et.al.), Política Cultural de Florianópolis/SC: Legislação, Plano Municipal de Cultura, Gestão e Equipamentos Culturais (Org.), Diversidade e Educação para as Relações Étnico-raciais (Org.), Africanidades Catarinenses (et.al.) e Negras Pretensões: a presença  de intelectuais, músicos e poetas negros nos jornais de Florianópolis e Tijucas no início do século XX. É membro do Conselho Editorial da Revista Raça e do Conselho Editorial da Fundação de Cultura de Florianópolis Franklin Cascaes.

Compartilhe

EXPLORE TAMBÉM

Voltar ao topo