Monalysa registrou BO por racismo três meses antes de ser Miss Brasil

64f28f71c9113c487559599ceadbb18d

Do Cidade Verde

Monalysa Alcântara, 18 anos, convive com ofensas e ataques racistas antes mesmo de receber o título de Miss Brasil.

No dia 23 de maio, três meses antes do concurso nacional, a piauiense foi ofendida por uma empresária do Estado que proibiu a modelo de desfilar, alegando que Monalysa – por ser negra – iria desvalorizar as roupas de sua coleção.

Indignada, a modelo procurou a Delegacia de Proteção aos Direitos Humanos e Repressão às Condutas Discriminatórias de Teresina  e registrou boletim de ocorrência.

O fato aconteceu por volta das 18h do dia 11 de maio durante evento do Piauí Moda House. Ela registro BO doze dias depois.

No boletim, Monalysa contou o ocorrido: “A empresária não queria nenhuma modelo de pele escura. Só queria modelo branca e loura, pois suas roupas só davam certo para pessoas de pele clara e não queria as modelos negras porque não iria valorizar as roupas”.

O delegado Emir Maia, que investiga o caso, disse que a miss e as amigas que presenciaram o fato já foram ouvidas.

“É um ato de preconceito, não se faz roupa para negro ou branco vestir, não existe roupa específica para ninguém”, disse o delegado.

A polícia investiga dois casos de racismo este ano, um deles é a denuncia da miss, e em andamento tem mais de 40 inquéritos por injuria racial.

Com o título de miss, anunciado este mês, Monalyza virou alvos de ataques por ser negra e nordestina.

Durante entrevista em Teresina, a Miss disse que não vai se calar e todos os casos que se sentir ofendida irá denunciar. Ela ressaltou a importância da lei e que é necessário fazer a denúncia para coibir novos casos.

 

Daniel Ribeiro

22 anos, estudante de administração gestão pública.

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked. *