Movimento negro vai recorrer contra recondução na Fundação Palmares

A Educação e Cidadania de Afrodescendentes e Carentes (Educafro) pretende recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que reconduziu Sérgio do Nascimento Camargo à presidência

Frei David, fundador da Educafro pretende recorrer sobre a nomeação de Sérgio Camargo. (Foto: Marcos Santos/USP Imagens)

Da Redação, com CB

Representantes do movimento negro não querem a permanência de Sérgio do Nascimento Camargo na presidência da Fundação Cultural Palmares – FCP. E prometem reagir. A Educação e Cidadania de Afrodescendentes e Carentes (Educafro) pretende recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que o reconduziu à função. “Vamos apontar cada ação que vá contra a essência do cargo. Alguém que assume a função de defender o povo negro não pode agir contra ele, assim como não faz sentido a existência de um médico que não tenha como princípio salvar o paciente”, explicou Frei David Santos, diretor-presidente da Educafro.

Desde o fim do ano passado, quando Camargo foi nomeado, ficou patente — disse Santos — que Bolsonaro e a maioria da equipe dele “têm uma tremenda dificuldade em aceitar o crescimento da consciência e dos direitos do povo negro”.

Para Maria Sylvia as posturas de Sérgio ferem as conquista e avanços que obtivemos para a população negra no Brasil nas últimas décadas. (Foto: Seceep/Divulgação)

Para Maria Sylvia Oliveira, presidente da Galedès — Instituto da Mulher Negra, está clara a intenção de acabar com a Fundação. “Quando se desmonta um patrimônio cultural como esse, se está destruindo a identidade de um povo e todas as conquistas que tivemos na Constituição de 1988. Ou ele sai de lá rápido, ou vamos precisar de mais 132 anos para desfazermos todos os estragos”, lamentou.

Demissões

A atitude de Camargo de demitir funcionários da Palmares por telefone, na quarta-feira, foi avaliada como mais uma afronta à população negra. Marivaldo Pereira, do Círculo Palmarino, afirmou que o gesto “reforça a impossibilidade de ele ocupar o cargo”. “Desde sua chegada, tem praticado todos os atos possíveis para atentar contra a instituição. Ele não quer uma fundação para o combate ao racismo nem que preze pelas políticas raciais de igualdade. Isso é muito grave”, criticou.

Pereira ainda lamentou que o país não conta com nenhum órgão capaz de atuar em políticas de igualdade racial. “Os dois principais órgãos federais foram dizimados. A Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir) já havia desaparecido dentro do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Agora, na Palmares, temos um presidente que quer sabotar a fundação”, protestou.

Camargo é visto como um entrave às políticas para a população negra. (foto: Facebook/Reproducao)

 

Presidente da Aliança de Negras e Negros Evangélicos do Brasil, a pastora Waldicéia de Moraes frisou que “mesmo diante de todo esse cenário estarrecedor para a população negra, não podemos abrir mão dos instrumentos conquistados pelos nossos antepassados após muita luta”. Segundo ela, já ficou claro que a atitude de Camargo faz parte de um projeto de poder do governo Bolsonaro. “Tem como objetivo destruir todas as políticas públicas de igualdade racial pelas quais lutamos a vida toda e impedir que as pessoas em vulnerabilidade social neste país continuem ascendendo socialmente”, acusou. Até o fechamento desta edição, a Fundação Palmares não tinha comentado o assunto.

Disputa na Justiça

A nomeação de Sérgio Camargo à presidência da Palmares foi autorizada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), há duas semanas. O órgão acatou um recurso da Advocacia-Geral da União (AGU) e derrubou a liminar do Tribunal Federal Regional da 5ª Região (TRF-5) que o impedia de assumir o cargo. A Defensoria Pública da União recorreu, mas não há previsão de quando a Corte Especial do STJ levará o pedido a plenário.

Compartilhe

Voltar ao topo