Não há evidência de envolvimento externo em ataque a boate gay na Flórida, diz Obama

Atirador Omar Mateen ‘foi inspirado por diversas informações extremistas disseminadas na internet’, disse Obama, que criticou política de venda de armas

Barack Obama fez nesta segunda-feira (13/06) um pronunciamento sobre o ataque à boate gay em Orlando, na Flórida

Barack Obama fez nesta segunda-feira (13/06) um pronunciamento sobre o ataque à boate gay em Orlando, na Flórida

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, declarou nesta segunda-feira (13/06) que, até o momento, não há evidências de que o ataque a uma boate gay em Orlando na madrugada deste domingo (12/06), que deixou 49 mortos e ao menos 53 feridos, tenha sido planejado no exterior. Segundo Obama, trata-se de um caso de “extremismo doméstico” com inspiração em propagandas veiculadas na internet.

“Não vemos nenhuma evidência clara de que ele [o atirador Omar Mateen] foi comandando pelo exterior”, disse Obama em pronunciamento na Casa Branca. “Parece que, no último minuto, ele anunciou obediência ao EI, mas até o momento não há evidências de que ele foi de fato dirigido pelo EI, e até esse ponto não há evidências diretas de que ele fazia parte de um plano maior.”

De acordo com o presidente norte-americano, Mateen, aparentemente “foi inspirado por diversas informações extremistas que foram disseminadas na internet”. O grupo EI (Estado Islâmico) reivindicou, por meio de seu canal de rádio, a autoria do ataque.
“O máximo que podemos dizer agora é que [o ataque à boate gay] é certamente um exemplo do tipo de extremismo doméstico com que todos nós temos nos preocupado há muito tempo”, declarou Obama.
Homem armado é preso a caminho da Parada Gay de Los Angeles

Grupo Estado Islâmico reivindica ataque e diz que autor é ‘soldado do califado’

Entidades e líderes mundiais condenam ataque a boate gay em Orlando; veja repercussão

Obama disse ainda que é necessário rever a política de venda de armas nos EUA, assunto que é pauta do seu governo. A investigação apontou que Mateen comprou as duas armas usadas no ataque legalmente. “Pensamos que é terrorismo e ignoramos o problema que temos com as armas. Temos que ir atrás das organizações terroristas e extremistas, mas também temos que nos assegurar que para esta gente não seja fácil obter esse tipo de armas”, afirmou.

Repercussão

Líderes mundiais e entidades internacionais condenaram o ataque. “Condeno com a maior força possível os ataques atrozes de extremistas violentos contra pessoas inocentes, escolhidas ao acaso, ou por causa de suas supostas crenças, opiniões ou — como vimos ontem — por sua orientação sexual”, disse o Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Ra’ad al Hussein.

Por meio de um comunicado, o governo do presidente interino do Brasil, Michel Temer, disse que recebeu “com profunda consternação e indignação” a notícia do ataque à boate gay. O texto não fez referência ao fato de que o local era voltado ao público homossexual.

Em nota, a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, disse que “essa tragédia não é apenas para o povo norte-americano, mas para o mundo inteiro — como são todos os massacres de pessoas mortas por sua fé, por sua orientação sexual, por suas convicções, em todos os países”.

Fonte: Opera Mundi

Compartilhe

Voltar ao topo