Negras brasileiras trazem sua contribuição para os debates da CSW

By / 3 anos ago / Mundo / No Comments

Evento paralelo à Comissão sobre o Estatuto da Mulher discute situação das descendentes de africanos; na sede da ONU em Nova York, ativistas do Brasil falam sobre duas opressões: o fato de serem negras e mulheres.

Dijamila-Ribeiro

As missões do Brasil e dos Estados Unidos na ONU organizaram um debate sobre a situação das mulheres descendentes de africanos. O evento desta quarta-feira foi paralelo à 60ª sessão da Comissão sobre o Estatuto da Mulher e ocorreu na sede das Nações Unidas, em Nova York.

Convidada a participar do encontro, a mestre em Filosofia Djamila Ribeiro foi entrevistada pela Rádio ONU e lembrou que as brasileiras negras sofrem dois tipos de opressão.

Raça e Gênero

“Vivemos mais de uma opressão. Racismo, machismo, a questão também de mulheres lésbicas ou trans, quando somam mais de uma opressão. A gente precisa ter um olhar interseccional sobre as opressões, parar de tratar as categorias de formas isoladas. Porque como mulheres e negras, estamos ali num entrecruzamento de raça e gênero. Então é preciso que nós, enquanto mulheres negras possamos ter esses espaços de protagonismo para a gente poder enunciar e trazer à tona essas realidades.”

Além de Djamila Ribeiro, outra brasileira participou do debate ao lado de ativistas dos Estados Unidos. Valdecir do Nascimento é coordenadora-executiva da Articulação Nacional das Mulheres Negras. Segundo ela, a situação no Brasil é “alarmante”.

Educação e Trabalho

“As mulheres negras vivenciam uma experiência do assassinato em massa da juventude negra. É algo que acontece nos Estados Unidos, mas no Brasil isso tem cada vez ficado mais grave. Ao mesmo tempo, o Congresso Nacional brasileiro reduz a maioridade penal. Tudo isso afeta diretamente as mulheres negras. Sem contar dos processos de acesso à educação, ao trabalho de qualidade num momento de crise como esse. Tudo isso vai impactar na vida das mulheres negras.”

Segundo Valdecir do Nascimento, outros desafios são: combater o racismo, a violência e assegurar o bem viver para a comunidade negra. O Brasil preside esta sessão da Comissão sobre o Estatuto da Mulher, que termina na quinta-feira, 24 de março.

Fonte: Rádio Onu

Daniel Ribeiro

22 anos, estudante de administração gestão pública.

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked. *