O Procurador Ailton Benedito é fake news. Versão: Aborto.

By / 2 semanas ago / Política / No Comments

Por The Intercept

A acusação é chocante e revoltante. A Planned Parenthood — o maior provedor de saúde reprodutiva nos Estados Unidos e queridinho entre liberais do país — foi pego em flagrante lucrando em cima de abortos. Pior: estavam negociando a venda de pedaços de fetos abortados enquanto bebiam vinho num restaurante. É um crime. É um escândalo. É abominável.

E o procurador-chefe do Ministério Público Federal em Goiás, revoltado com essa revelação, tuitou uma matéria do Globo detalhando o caso. Foi retuitado pelo menos 876 vezes:

Postou na sua página de Facebook também:

O único porém é que o caso é absolutamente fictício, e mais de uma dúzia de investigações públicas — muitas delas lideradas por oponentes do grupo — confirmam isso.

Primeiramente, vamos deixar claro que o caso é de 2015, não de 2018.

O que é verdade: a Planned Parenthood providencia fetos para laboratórios médicos — mas calma que não é bem assim.

Vamos ao caso bombástico que tomou conta do noticiário dos EUA em julho de 2015. Um vídeo foi divulgado. Nele, estava a médica Deborah Nucatola, diretora sênior de serviços médicos da Planned Parenthood, discutindo a entrega de fetos e de “tecido fetal” com duas pessoas. Essas pessoas se identificavam como representantes de uma empresa de biomedicina e estavam interessadas em adquirir o tal tecido. Mas elas estavam mentindo: a empresa não existia e Deborah Nucatola caiu em uma armadilha.

O golpe foi construído ao longo de dois anos e meio, quando pessoas se encontraram repetidamente com Nucatola para ganhar sua confiança. Na verdade, as pessoas que se apresentavam como representantes da tal empresa eram dois ativistas antiaborto: David Daleiden, diretor do “Center for Medical Progress” (Centro de Progresso Médico), e sua funcionária, Sandra Merritt.

Eles usaram câmeras escondidas para gravar os encontros – em um deles, filmaram ela tomando vinho para criar uma imagem ainda mais ‘tou nem aí’ –, tentaram repetidamente provocar Nucatola para que ela dissesse coisas escandalosas ou ilegais, editaram as mais de 500 horas filmadas e transformaram tudo em um vídeo curto, descontextualizado, chocante e sem sentido para criar a pior impressão possível.

A máquina deles acelerou, todo mundo estava gritando e pedindo acusações criminais contra a Planned Parenthood, vários estados e até o Congresso Federal lançaram investigações contundentes contra a ONG, a mídia conservadora quase desmaiou de tanta raivalegria.

Depois que a imagem da Planned Parenthood e de Nucatola estavam no chão, a cilada foi desvendada. Em agosto, nada menos que 12 horas de gravações brutas foram publicadas. Elas mostram que a representante de Planned Parenthood explica várias vezes que o grupo não vende tecido fetal porque isso é ilegal. O que eles podem fazer legalmente, e fazem, é pedir que os pesquisadores que desejam ter acesso aos materiais – depois de autorização das pacientes – reembolsem os custos de envio e outros relacionados. Os pacientes não recebem nada. A Planned Parenthood não gera nenhum lucro, e o tecido é usado apenas para pesquisa científica.

“Há pacientes que chegam e dizem: ‘posso fazer algo para ajudar a ciência?’”, diz um representante de Planned Parenthood em uma das gravações clandestinas.

“Acho que muitos dos pacientes ficariam realmente satisfeitos com essa oportunidade”, diz outro.

“Este não é um novo fluxo de receita. Esta é uma maneira de oferecer ao paciente o que ele quer, do tipo ‘faça o bem para a comunidade médica’”, conta a Nucatola em outra gravação.

CHICAGO, IL - MAY 18: A motorist passes a Planned Parenthood clinic on May 18, 2018 in Chicago, Illinois. The Trump administration is expected to announce a plan for massive funding cuts to Planned Parenthood and other taxpayer-backed abortion providers by reinstating a Reagan-era rule that prohibits federal funding from going to clinics that discuss abortion with women or that share space with abortion providers. (Photo by Scott Olson/Getty Images)

Uma clínica de Planned Parenthood na cidade de Chicago, no estado de Illinois. (Foto: Scott Olson/Getty Images)

Planned Parenthood: Alvo de ataques

Existe um argumento de boa fé sobre se o que a Planned Parenthood faz é ético. Mas as palavras “boa fé” não se aplicam em nada neste caso. O objetivo dos ativistas antiaborto era usar táticas sujas para derrubar uma organização que, para muitas mulheres, é o único lugar para acessar serviços médicos relacionados a saúde reprodutiva.

Devido a um lei federal feita pelos republicanos, o financiamento federal não pode pagar por abortos. Os milhões que a Planned Parenthood recebem são para os outros programas de saúde reprodutiva e feminina em suas 600 clínicas ao redor do país. E nem todas as clínicas oferecem serviços relacionados a aborto (na verdade, apenas 3% de seus serviços são voltados ao aborto). A maioria do atendimento é de natureza preventiva, o que inclui contracepção, exames e tratamentos de doenças sexualmente transmissíveis e exames de câncer do colo do útero, mamas e outros. O grupo faz programas educacionais para 1,5 milhões de adultos e adolescentes todo ano. De acordo com seu site, uma em cada cinco mulheres americanas já foram atendidas nas suas clínicas.

A Planned Parenthood sempre foi alvo de extremistas antiaborto. Pelo menos 11 pessoas foram assassinadas em ataques contra provedores de abortos desde 1993 nos EUA. Mas, depois dos vídeos de 2015, a violência atingiu outros níveis. Em novembro daquele ano, um atirador matou três pessoas e feriu outras nove. Pelo menos quatro clínicas foram incendiadas.

Vale a pena notar aqui também que a manchete da matéria d’O Globo compartilhada por Benedito – “ONG pró-aborto vende órgãos fetais nos EUA” – é um desastre. Era jornalisticamente e factualmente incorreta no momento em que foi publicada – mesmo sem todos os fatos que temos hoje – e segue viajando pelas redes de maneira ainda pior porque jamais foi corrigida ou atualizada. Anota aí que a fake news foi publicada num “jornal verdadeiro”. Oops. Mais uma, na verdade. Oops².

COLORADO SPRINGS, CO - DECEMBER 09: Robert Lewis Dear addresses Judge Gilbert Martinez during a court appearance December 09, 2015 in Colorado Springs, Colorado. El Paso County prosecutors filed formal charges against Lewis in the November 27 Planned Parenthood attack in which University of Colorado Colorado Springs police officer Garrett Swasey, Iraq war veteran Ke'Arre Stewart and Jennifer Markovsky, mother of two were killed. (Photo by Andy Cross-Pool/Getty Images)Robert Lewis Dear atirou numa clínica de Colorado Springs, Colorado, em novembro de 2015. Matou três pessoas e feriu mais nove. (Foto: Andy Cross-Poll/Getty Images)

Entenda os acontecimentos:

2015

  • Entre outubro de 2013 e julho de 2015 – 14 gravações clandestinas são produzidas por David Robert Daleiden e Sandra Merritt.
  • 14 de julho – The Center for Medical Progress divulga o primeiro vídeo, que provoca um escândalo imediato.
  • 15 de julho – Republicanos no Congresso lançam uma investigaçãodevido aos vídeos. (Na época, o governo federal dava por volta de US$ 500 milhões por ano em financiamento para a ONG.)
  • Julho – Pelo menos 11 estados abrem investigações contra Planned Parenthood, com vários republicanos demandando o fim de financiamento para o grupo.
  • 7 de outubro – O congresso abre uma investigação especial sobre alegações de venda de “tecido fetal”.

2016

  • 25 de janeiro – Um tribunal em Harris County no estado de Texas vota para não indiciar Planned Parenthood e, sim, indicia Daleiden e Merritt por falsificar documentos governamentais e por ter utilizado identidades falsas em sua cilada numa clínica na cidade de Houston.
  • 27 de janeiro – O senado do estado de Ohio, dominado por republicanos, vota para tirar US$ 1,3mi de financiamento público para Planned Parenthood.
  • Entre o final de 2015 e início de 2016 – Pelo menos 13 estados terminam suas investigações – nenhum acaba com qualquer acusação contra a Planned Parenthood.

2017

  • 3 de janeiro – O Congresso federal, impulsionado pelos republicanos, termina sua investigação de 15 meses sobre Planned Parenthood sem nenhuma acusação ou prova de crime.
  • 29 de março – O procurador do estado de Califórnia acusa os dois autores dos vídeos de 15 crimes – 14 acusações de gravação ilegal sem permissão e uma de conspiração por invadir privacidade.
    • A organização que produziu os vídeos respondeu no dia: “As absurdas acusações dos parceiros políticos da Planned Parenthood são fake news.”
  • 21 de junho – Um juíz estadual indefere 14 das 15 acusações no estado de Califórnia.
  • 7 de julho – Califórnia faz mais acusações criminais contra Daleiden e Merritt.
  • 31 de agosto – Um juíz federal multa Daleiden e seus advogados US$ 200 mil por desobedecerem uma ordem que os proibia de divulgar os vídeos.

2018

  • 3 de abril – O Supremo Tribunal dos EUA rejeita um pedido de Daleiden e Merritt para reconsiderar uma ordem que impede que eles divulgem as gravações clandestinas.
  • 1º de agosto – Ailton Benedito, procurador da República do Brasil, compartilha uma matéria de julho de 2015 sobre o caso como se fosse novidade e verdade e é compartilhada centenas de vezes.

Esse caso tem tantos desdobramentos óbvios de uma notícia falsa que o procurador Benedito, que se apresenta tão interessado no assunto, deveria saber. Aparentemente não. Claro: ele nem percebeu que o link é de 2015. Ou talvez apenas não se importou.

O procurador Ailton Benedito

Pau pra toda obra da direita e expoente da onda conservadora no Ministério Público de Goiás, o procurador Ailton Benedito tem suas próprias verdades, as quais se encarrega de espalhar, como a pérola de que o nazismo é um regime socialista.

Mas a vergonha nacional mesmo foi quando ele pediu explicações ao Itamaraty sobre o envio de crianças e adolescentes do Brasil para treinamento armado na Venezuela. Muito esperto e patriota, ele precisava saber o porquê do envio de “adolescentes brasileiros à Venezuela, com o fim de transmitir conhecimentos relativos à ‘revolução bolivariana’”. Só que as crianças “brasileiras” eram na verdade de uma comunidade chamada Brasil, no estado de Sucre, na própria Venezuela, que estavam viajando dentro do próprio país para oficinas de jornalismo. Uma mera falha de interpretação de texto que poderia ter sido resolvida com uma googlada. Assim saberia que em Sucre existe uma comunidade chamado Brasil e é de lá que partiriam os estudantes. Oops³.

Em abril de 2016, após cair em outro boato de internet, Benedito recomendou que as polícias Federal, Rodoviária Federal, Civil e Militar de Goiás impedissem a participação de estrangeiros em atos relacionados ao processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. A recomendação foi expedida depois de surgirem na internet informações – não confirmadas pela PM de Goiás – de que bolivianos iriam a Brasília para protestar contra o impeachment.

É fantástica ainda a sua crença em propagandas subliminares. Com a justificativa de que campanha “Copa das Copas” atingia o “inconsciente coletivo, de forma subliminar”, ele pediu a suspensão das publicidades da Copa do Mundo em 2014. E não é só. Em seu blog, há um post incrível sobre “propaganda eleitoral subliminar“. O TRE que se cuide!

Benedito é como aquele seu tio reaça que solta absurdidades quase todos os dias no grupo de zap da família.

Mas a mais relevante das bandeiras que o Benedito levanta é a de defensor do MBL, depois que parte da rede de contas falsas do grupo que espalha propaganda enganosa foi derrubada pelo Facebook na semana passada. Ele demandou oficialmente que a empresa enviasse a lista de todas as páginas e perfis derrubados com explicações para cada uma das cerca de 300 contas afetadas. A justificativa pública do Facebook foi que as páginas e perfis “faziam parte de uma rede coordenada que se ocultava com o uso de contas falsas no Facebook, e escondia das pessoas a natureza e a origem de seu conteúdo com o propósito de gerar divisão e espalhar desinformação”. #FakeNews

A ironia de um procurador usar o poder do seu cargo oficial para agir em favor dos fakenewsers do MBL e exatamente uma semana depois ser pego em flagrante divulgando sua própria fake news sobre abortos (que foi amplamente desmentida há anos) é notável. Demonstra que usa seu cargo para defender seus próprios interesses ideológicos (algo que ninguém pode duvidar depois de passar 10 minutos lendo suas redes sociais).

Também evidencia a gritante falta de discernimento e de capacidade investigativa do servidor público – dois poderes que devem ser extremamente importantes para a execução do seu trabalho como procurador-chefe em Goiás. Algo que deixa a gente pensando: como é possível que esse cara seja permitido a, abertamente e diariamente, divulgar esse tipo de barbaridades e idiotices ideológicas e ainda manter um cargo tão importante? Um cargo em que a aspiração de neutralidade – ou pelo menos a aparência disso – deve ser um pré-requisito.

Quando a cara da lei é Ailton Benedito, é fácil entender por que tanta gente entende que Lula seja um injustiçado desse mesmo sistema. Ele está longe de ser o único.

Daniel Ribeiro

22 anos, estudante de administração gestão pública.

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked. *