Última live do Projeto Sambaobá destaca, no dia 25/08, a cantora e sambista Luciara Batista, de Canoas

Glau Barros apresenta os encontros que buscam traçar o perfil de mulheres residentes no Interior do estado do RS e que tem no samba seu fazer artístico

Luciara Batista vem de uma família de sambistas e cresceu no meio do samba. (Foto: Crédito Gabriela da Silva)

Em quatro lives do projeto “Sambaobá – A Raiz Feminina do Samba, a cantora e atriz Glau Barros pode compartilhar com o público as histórias, experiências e processos artísticos de suas convidadas, oriundas de cidades do Interior do RS. A investigação da artista tem por finalidade visibilizar e reconhecer as mulheres sambistas de diferentes regiões do nosso Estado, como forma de fortalecer a narrativa feminina e o protagonismo dessas artistas. Na próxima quartafeira, 25 de agosto, às 20h, Glau focaliza a vida e a carreira da cantora, compositora e intérprete de samba enredo, Luciara Batista, da cidade de Canoas, a última convidada do projeto. A live será transmitida pelo canal Glau Barros, no YouTube (confira no “Serviço”). – Ao longo da pesquisa, pude perceber o quanto nós, mulheres, e neste recorte, mulheres negras do samba, necessitamos de espaço para expor nossas trajetórias, nossos anseios e nosso fazer artístico. Somos, a todo momento, invisibilizadas, muito em razão desta estrutura excludente que nos é imposta como também por transitarmos em um espaço majoritariamente masculino, observa Glau Barros. Esta invisibilização, segunda a artista, também contribui para a pouca procura desses trabalhos, dificultando desta forma, que estas artistas tenham acesso a espaços e oportunidade, ressalta. – Em razão disso, nosso fazer artístico fica carente de investimento, resultando, muitas vezes, numa abreviação de uma promissora carreira, conclui.

O projeto tem como propósito mapear e publicizar a presença de mulheres compositoras; artistas mulheres que têm no gênero samba seu fazer artístico, contribuindo de forma efetiva com o legado cultural das diferentes regiões do Rio Grande do Sul a que pertencem. A pesquisa focaliza cinco cidades gaúchas: Gravataí, Pelotas, Uruguaiana, São Borja e Rio Grande. A iniciativa é viabilizada por meio do Edital Criação e Formação – Diversidade das Culturas, realizado pela Secretaria de Estado da Cultura em Parceria com a Fundação Marcopolo, com recursos oriundos da Lei nº 14.017/2020, a Lei Aldir Blanc. “De um modo geral, as mulheres, ao longo da história, sofrem de silenciamento e carecem de que sua obra seja documentada para conhecimento na atualidade e nas gerações futuras”, avalia.

Sobre a artista retratada

Luciara Batista nasceu em 14 de janeiro de 1972, em Canoas, no Bairro Niterói. Cresceu no meio do samba, juntamente com os familiares maternos, a Família Teixeira. Traz na lembrança, as rodas de samba da família coordenadas pelas tias, que são suas referências pela sua personalidade e por toda sua bagagem na cultura afro, em especial, no samba. Essa é a marca registrada da sua infância. Luciara participa do Criativo PRAQPRODUÇÕES e é descrita como: “O talento que o samba iluminou e a música se apaixonou.” Mulher preta, mãe, artista, compositora, produtora cultural, afro influencer. Única intérprete mulher do Carnaval canoense e de Porto Alegre, nos últimos anos. Idealizadora do Projeto Samba da Roda de Saia, com o objetivo de reunir amigos e familiares através do samba.

O projeto agrega feira cultural afro, além de espaço kids e diversas atrações para o público que visita o evento. Luciara vem trabalhando, cada vez mais, em músicas autorais. Ativa em projetos culturais em prol do samba, ela participa de diversos grupos, como o Projeto Liames, um coletivo de mulheres que cantam suas próprias composições, e o Projeto Samba da Gente, no qual canta suas autorais e de outros compositores exclusivamente gaúchos. Neste ano de 2021, Luciara Batista recebeu o prêmio Prêmio Trajetórias Culturais – Mestra Griô Sirley Amaro.

Sobre o projeto

Ao longo de cinco lives, Glau Barros irá apresentar em “Sambaobá – A Raiz Feminina do Samba” as cantoras, intérpretes e instrumentistas que identificou em seu estudo, oriundas das cinco cidades pesquisadas, a saber: Gravataí, Pelotas, Uruguaiana, São Borja e Rio Grande.

Completa a iniciativa, a produção de podcasts contendo as entrevistas realizadas por Glau Barros, tendo como entrevistadas as compositoras pesquisadas, privilegiando o seu processo criativo e encerrando com a execução de um samba autoral.

No dia 21 de julho, ocorreu a live de lançamento do projeto, com a participação das compositoras Pâmela Amaro e Guaíra Soares. No dia 28 do mesmo mês, foi a vez da dupla Dani & Dena, de Pelotas; no dia 04 de agosto foi retratada Patrícia Di Guyan, de Uruguaiana; no dia 11 foi a vez de Drika Carvalho, de Gravataí, e no último dia 18 foi a vez de Gil Colares, de Rio Grande. Com este encontro com Luciara Batista, de Canoas, encerra-se esta fase do projeto.

Este material ficará disponível no canal Glau Barros do YouTube. É importante ressaltar que o projeto prevê acessibilidade. Outro dado importante observado por Gau Barros em sua pesquisa é a falta de material de vídeo das artistas desta vertente. “Por ser um investimento relativamente alto, a realização de clipes, a captação profissional de seus shows, a produção de um vídeo-release, entre outros materiais desta natureza, são de escassos a nulos”.

Conforme a cantora, o alto custo impede a produção destas peças, gerando uma dificuldade para se divulgar e acessar a obra da artista. O material gerado pelas lives – e futuramente os podcasts das conversas – com as artistas pesquisadas e entrevistadas, poderá servir às mesmas como um material para a atualidade e as gerações futuras conhecerem suas trajetórias e seu trabalho.

Acesse e curta: Facebok: Glau Barros Instagran: @glaubarros Youtube: Glau Barros

Serviço:

O Quê: Sambaobá – A Raiz Feminina do Samba, live com a participação da cantora, compositora e intérprete de samba enredo, Luciara Batista, de Canoas. Apresentação de Glau Barros.

Quando: Dia 25 de agosto de 2021, quarta-feira às 20h.

Onde: https://www.youtube.com/c/GlauBarros/featured

Quanto: Acesso gratuito Projeto viabilizado por meio do Edital Criação e Formação – Diversidade das Culturas, realizado pela Secretaria de Estado da Cultura em Parceria com a Fundação Marcopolo, com recursos oriundos da Lei nº 14.017/2020, a Lei Aldir Blanc.

Compartilhe

EXPLORE TAMBÉM

Voltar ao topo