Arte como Ciência: Raízes – Vera Lopes – Arteativista das lutas negras

Especial contemplado pela Lei Aldir Blanc terá segundo encontro da programação no dia 04 de Maio de 2021. O projeto ARTE COMO CIÊNCIA apresenta entrevistas com artistas que desenvolvem um olhar reflexivo e científico sobre a relação entre seu fazer artístico e a sociedade.

A arteativista Vera Lopes. (Foto: Leo Ornelas)

Em Abril e durante todo o mês de Maio, o Arte como Ciência apresentará a programação especial, Arte como Ciência: Raízes, que traz em sua proposta a reverência e a reflexão sobre a trajetória profissional de importantes nomes da cultura gaúcha. A realização conta com o lançamento de um webdocumentário sobre o trabalho de cada artista, acompanhado de uma mesa redonda virtual que debaterá o tema central da trajetória apresentada, com a presença de profissionais especialistas em cada temática.

No primeiro encontro, Mestre Pernambuco – Quilombismo, a utopia viável, nos conectamos com a trajetória do artista, professor e ativista Mestre Pernambuco. No segundo encontro, Vera Lopes – Arteativista das lutas negras, vamos conhecer mais sobre a trajetória criativa de Vera Lopes, mulher negra, mãe, avó, artista e ativista da cultura negra. Após a transmissão do webdocumentário, acontecerá um diálogo sobre o impacto social do trabalho da artista entre a própria Vera, Tatiana Henrique e Julio Moracen Naranjo, com mediação de Viviane Juguero, idealizadora do projeto. A live acontecerá no dia 04/05, às 14:30 (BRT) e pode ser assistida ao vivo no canal do Arte Como Ciência no Youtube.

Conheça os nomes presentes neste encontro

Vera Lopes

Vera Lopes é atriz gaúcha, com atuação em teatro, cinema, recital poético-musicais, comerciais etc., com experiência de mais 30 anos. Vive em Salvador/BA e tem como foco atuar com expressões artísticas baseadas na cultura negra. No cinema gaúcho, teve sua estreia no premiado curta O Dia em que Dorival encarou a Guarda, em 1986, dirigido por Jorge Furtado e José Pedro Goulart. Participou nos longas, igualmente premiados, Neto Perde sua Alma, de Beto Souza e Tabajara Ruas/1998, e Neto e o Domador de Cavalos, de Tabajara Ruas/2005. Foi protagonista no curta Antes que Chova, direção de Daniel Marvel/2009, e participou ainda de Tolerância, de Carlos Gerbase/2000; Da Colônia Africana a Cidade Negra, de Paulo Ricardo de Moraes; Brasil um Eterno Quilombo, de Julio Ferreira/2006. No teatro, atuou nos espetáculos Hamlet Sincrético e Transegun, do Grupo Caixa-Preta, ambos dirigidos por Jessé Oliveira, entre outros.

Tatiana Henrique

Tatiana Henrique é Mãe e Artista da Presença. Pesquisadora de tradições orais e contação de histórias. Doutoranda em Artes – UERJ. Professora nos cursos de Pedagogia e Teatro da Faculdade Cesgranrio, RJ. 1,65m e Cabeluda

Julio Moracen Naranjo

Julio Moracen Naranjo possui graduação em Licenciatura em Artes Cênicas pelo Instituto Superior de Arte (1996), doutorado em PROLAM-USP, Universidade de São Paulo (2004) e pós-doutorado na Université de Perpignan Via Domitia (2014-2015), fez especialização em Antropologia na Universidade da Havana e Etnologia e Etnoantropologia na Universitá Degli Studi Sapienza, Roma. Atualmente é professor de Patrimônio Cultural Imaterial na Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP – Campus Guarulhos (SP) e investigador associado do Centro de Teatro y Danza de la Habana. Tem experiência na área de Antropologia e Teatro, com ênfase em Patrimonio Cultural Imaterial, atuando principalmente nos seguintes temas: teatro negro, História do teatro em Afro-américa e Caribe, performance negra, antropologia do teatro e patrimônio cultural imaterial.

Viviane Juguero

VivianeJuguero idealizou a proposta do Arte Como Ciência com base no conceito de “dramaturgia radical” que desenvolveu em seu doutorado, ao refletir sobre as raízes do papel social da arte, com base na Educação Radical, proposta por Paulo Freire. Atualmente, trabalha no Departamento de Arte e Educação da Universidade de Stavanger, na Noruega. É bacharel, especialista, mestra e doutora em artes cênicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, com estágio doutoral na Universidade de Wisconsin-Madison, EUA. É membro da Associação Internacional de Teatro para Crianças e Jovens (ASSITEJ), dentre outras redes artísticas e científicas nacionais e internacionais. É autora de livros, artigos e ensaios, peças teatrais, roteiros audiovisuais, músicas e projetos artístico-pedagógicos, para crianças e adultos, encenados e / ou publicados no Brasil e no exterior, em diversos idiomas.  

Evento no Facebook: https://fb.me/e/3qlDBlXIK

Próximos encontros da programação

11/05 > Seli Maurício – O exercício da sensibilidade

Debate por: Elisa Lucas e Luvel Garcia Leyva

18/05 > Zé da Terreira – Na cadência do tambor

Debate por: Richard Serraria

25/05 > Irene Santos – Memórias fotográficas de negros de alma preta

Debate por: Dedy Ricardo e Alexandra Dumas

Sempre às 14:30 (BRT), ao vivo no canal do Youtube ou na página no Facebook do projeto.

fb.com/artecomociencia

yt.com/artecomociencia

O Arte como Ciência: Raízes foi criado em meio à pandemia do COVID-19, um momento em que o mundo está sofrendo o luto de perder tantas trajetórias repletas de maturidade, experiência e sabedoria. As pessoas enfocadas nesta realização possuem mais de sessenta anos. Elas fizeram parte de momentos históricos essenciais às transformações dos modos de emocionar e refletir que as realizações artísticas promovem. Elas integram o momento presente, de forma contundente, pois nada substitui a relevância de suas experiências. Essas pessoas foram, são e continuarão sendo essenciais ao desenvolvimento cultural do Rio Grande do Sul. O Arte como Ciência: Raízes é um ato político de conscientização e reverência a pessoas que constituem ancestralidades férteis, repletas de realizações passadas e possibilidades presentes e futuras.

Ao mesmo tempo, o projeto engloba profissionais com trajetórias e experiências distintas, em uma equipe diversa em todos os sentidos. Junto a profissionais com ampla experiência e formação, aprendizes e iniciantes também tiveram a oportunidade de aprimorar seus conhecimentos, por meio de distintos estágios. A iniciativa também reúne, além de sua equipe diretiva e de produção, profissionais da arte de diversos estados, ampliando nacionalmente a repercussão do trabalho, além de equipes de acessibilidade, divulgação e tradução, pois, seguindo o propósito original do projeto de estabelecer conexões internacionais, todos os vídeos e encontros contam com tradução para o inglês e o espanhol.

O Arte Como Ciência: Raízes está sendo realizado com recursos da Lei nº 14.017/2020, através do Edital SEDAC nº 09/2020 – Concurso Produções Culturais. Os vídeos, mesas redondas e demais conteúdos do projeto podem ser acompanhados nos canais do Arte Como Ciência no Youtube, Facebook, Instagram e também no site do projeto.

Serviço

Arte como Ciência: Raízes

Terças-feiras, sempre às 14:30 (BRT) 

27 de abril – Mestre Pernambuco: Quilombismo, a utopia viável

04 de maio – Vera Lopes: Arteativista das lutas negras

11 de maio – Seli Maurício: O exercício da sensibilidade

18 de maio – Zé da Terreira: Na cadência do tambor

25 de maio – Irene Santos: Memóriaa fotográficas de negros de alma preta 

Como assistir: As mesas redondas e web-documentários serão transmitidos em nosso canal no Youtube e em nossa página no Facebook.

Canal do Youtube: youtube.com/artecomociencia

Página do Facebook: fb.com/artecomociência

Nossos canais de comunicação:

Site oficial: https://www.artecomociencia.com/ 

Instagram: @artecomociencia | https://www.instagram.com/artecomociencia/

Ficha técnica do Arte como Ciência: Raízes

Idealização, Coordenação Pedagógica, Roteiro e Direção: Viviane Juguero

Coordenação Técnica e Direção: Daniela Israel

Coordenação de Tradução Solidária e Pesquisa Histórica: Cleiton Echeveste

Produção Institucional e Arte Conceitual: Éder Rosa

Direção de Produção: Freddy Paz

Assistente de Produção: Lity Tavares e Gianluca Cozza

Coordenador de Producão: Pedro de Lima Marques

Edição e Finalização: Victoria Ketzer e Filipe Barros

Equipe de Roteiros: Juliana Balhego e Jorge Rein

Criação de Material Gráfico: Ana Moura

Comunicação: Ana Luísa Moura

Assessoria de Imprensa: Simone Lersch

Tradução para o Espanhol: Paula Cabrera e Phelipe Cerdeira

Tradução para o Inglês: Celso Júnior

Realização: Bando de Brincantes

Produção: Bactéria Filmes

Sobre o projeto

O projeto ARTE COMO CIÊNCIA apresenta entrevistas com artistas que desenvolvem um olhar reflexivo e científico sobre a relação entre seu fazer artístico e a sociedade. A intenção é dialogar sobre o papel crucial e específico que as distintas criações artísticas desempenham na permanente formação pessoal e social, em cooperação, mas não em subordinação, com outros campos do saber.

Em 2020, foram realizados quatro episódios – a apresentação do projeto, contando com profissionais de distintos países, além das entrevistas inéditas com os brasileiros Jessé Oliveira e Richard Serraria, e a estadunidense Kathy Perkins. Já em 2021, o projeto realizou, em conjunto com CBTIJ/ASSITEJ Brasil, o debate virtual “Arte para Crianças e Jovens”, com a presença de Clarissa Malheiros (México), Idris Goodwin (Estados Unidos), Jerry Adesewo (Nigéria), María Inés Falconi (Argentina), Imran Khan (Índia) e Yuck Miranda (Moçambique), e mediação de Viviane Juguero (Brasil/Noruega). Em fevereiro, foi realizada entrevista com o pesquisador cubano Luval Garcia Leyva. 

Compartilhe

EXPLORE TAMBÉM

Voltar ao topo